Camarão atrai consumidores para a doca do Mercado

A safra de camarão no estuário da Lagoa dos Patos, desde Arambaré até a Barra do Rio Grande, foi aberta no início da última madrugada. Provavelmente devido ao temporal ocorrido entre as 22h30min e a meia-noite de segunda-feira, poucos pescadores artesanais saíram para a captura do crustáceo neste primeiro momento de liberação. Já a procura por camarão nas bancas e na beira do cais da doca do Mercado, pela manhã, foi boa. Paulo Freitas, responsável pelas bancas 3 e 4, contou que às 6h15min, antes de ser iniciada a comercialização, já havia gente esperando para comprar o crustáceo. Outros vendedores do local também afirmaram que a procura foi boa no primeiro dia da safra.

 

Em torno de 15 botes chegaram à doca do Mercado, pela manhã, para entrega e venda da carga pescada na madrugada. “À noite deu temporal e poucos pescadores saíram para captura. Com o tempo melhorando, a pesca vai aumentar e a produção será melhor”, disse Paulo Freitas. Segundo ele, que tem dois barcos trabalhando nesta safra, há bastante camarão no estuário. Hoje, 01, por volta das 10h, Freitas já tinha vendido 50 quilos de camarão descascado e 60 quilos com casca.

 

O empresário da área de transportes Fábio Acunha, 27 anos, do Rio Grande, foi uma das pessoas que foi comprar camarão na área da doca. Ele adquiriu 12 quilos do crustáceo graúdo, com casca. Nessas condições, o quilo do camarão está custando R$ 10, mas como comprou uma boa quantidade, Acunha teve um desconto e pagou R$ 9,50 o quilo.”Considerando a qualidade, o preço tá bom”, observou, explicando que foi comprar logo no primeiro dia porque estava com desejo de comer camarão. Pretendia fazer os crustáceos fritos, com massa e para recheio de pastel. “Estou levando bastante para comer com a família e a namorada”, relatou.

O operador de sonorização Josué Gomes, 38 anos, de Porto Alegre, que está em Rio Grande a passeio, mas também já com a intenção de aproveitar para comprar camarão, adquiriu quatro quilos. Achou “meio caro” o preço de R$ 10 o quilo, porém concluiu que vale a pena comprar porque o crustáceo “está bonito”. Ele pretendia ainda ontem comer camarão com massa. E observou que depois vai adquirir mais e levar para a Capital.

 

Nas bancas e na beira do cais, o quilo do camarão com casca graúdo custa R$ 10 e o de tamanho médio entre R$ 6 e R$ 8. O graúdo sem casca é vendido a R$ 18 o quilo e o médio a R$ 15. Para os pescadores, está sendo pago entre R$ 4 e R$ 5 o quilo. Conforme o presidente da Colônia de Pescadores Z-1, do Rio Grande, Ilário Borges, não é um preço muito bom, considerando a despesa que os trabalhadores da pesca têm para fazer a captura.

 

Expectativa

Ilário Borges esteve nesta terça-feira na doca do Mercado acompanhando a chegada do crustáceo. Ele também observou que poucos pescadores foram pescar camarão na primeira noite da safra. “Tinha muito vento”, opinou. Os que foram, pegaram entre 40 e 50 quilos cada. Quanto à expectativa para esta safra, falou que alguns pescadores estão otimistas e outros não. Ele acredita que esta não será uma grande safra, mas ainda assim poderá ser boa.

A preocupação, segundo ele, é que até segunda-feira, 31, a água não tinha salgado na região de São Lourenço do Sul e outros pontos da lagoa. Porém, com o vento sul registrado ontem, Borges disse que a salinização da lagoa poderia aumentar. O supervisor da Secretaria Municipal da Pesca, Onedir Lilja, também manifestou esta mesma preocupação na manhã de ontem. Observou que não entende o motivo da demora na salinização da lagoa nos demais pontos, já que há estiagem.

Em Rio Grande, segundo o supervisor da Pesca, há camarão nas áreas de criadouros. Já na Ilha da Torotama, interior do Município, não tem. Na costa de São José do Norte a água também estava doce. Em São Lourenço, Lilja teve informações ontem de que a situação está melhorando. “Precisamos que ocorra camarão também nos outros pontos da lagoa. Assim todos ganham e a safra será mais longa”, explicou.

Por: Carmem Ziebell