ABCC leva conhecimento sobre carcinicultura ao produtor e ao mercado durante a Aquapescabrasil 2012

Entre os principais apoiadores da terceira edição da Aquapescabrasil destaca-se a Associação Brasileira de Criadores de Camarão (ABCC), que se destaca ao de levar informação detalhada e conhecimento ao produtor, à indústria e ao mercado em geral. Atualmente, o papel da entidade tem se mostrado cada vez mais importante devido às grandes mudanças que têm ocorrido no setor da carcinicultura. O camarão tem ocupado maior espaço que na mesa do brasileiro e nos melhores restaurantes do país, situação impulsionada pelo momento favorável pelo qual a economia brasileira vem passando. De acordo com a ABCC, a renda do brasileiro vem aumentando consideravelmente e a projeção é de que as classes A e B cresçam 50% até 2014. A entidade explica que supermercados, restaurantes, redes de fast-food, todos estão atentos a essa demanda e tem sido grandes aliados na tarefa de tornar o camarão acessível e criar a cultura do consumo. Com isso, a indústria deve estar preparada para desenvolver novas tecnologias de processamento, ofertar produtos cada vez mais elaborados, com alta qualidade, desenvolvimento de pratos prontos, de olho em nichos de mercado específicos, negociando margens menores com os grandes consumidores e alcançando também aos pequenos e médios supermercados. Para garantir o fornecimento, cabe ao produtor observar a regularidade, rigor no controle de qualidade, aumento do volume de produção nas fazendas, fortalecendo a parceria com a indústria.
Hoje, a produção as fazendas de camarão do Nordeste é 100% voltada ao mercado nacional, diferente do que acontecia há cerca de uma década, quando um grande volume era exportado para o mercado europeu e norte-americano. Para mudar esse cenário, o produtor passou a vender sua produção in natura, no mercado de camarão fresco, feiras livres, pequenos comerciantes informais e indústrias de outros Estados, porém esse tipo de comercialização, do camarão fresco, vem se tornando cada vez menos comum. 
Parceria entre produtor e indústria fortalece o setor
Para garantir uma maior estabilidade nos preços médios anuais e a formação de estoques regulares para atender o mercado, a ABCC defende que o produtor deve ter uma boa parceria com a indústria de beneficiamento, que acaba congelando o produto e vendendo de acordo com a demanda. O fortalecimento do setor depende de parcerias entre as fazendas e a indústria, que passa a agregar valor ao produto, sendo vendido descascado, sem vísceras, cozido, congelado individualmente, proporcionado, etc. Isso requer uma readequação da indústria a esta nova realidade, com a contratação de mão de obra especializada, inovação, investimento em equipamentos e sistemas de automação. Além disso, quando não vendido à indústria, boa parte do camarão acaba indo para o mercado informal, tanto do produto fresco como congelado, diminuindo a qualidade, com riscos de sonegação de impostos, insegurança alimentar e, consequentemente, pressionando a baixa do preço do mercado em geral. 
Aquapescabrasil 2012
O maior evento de pesca e aquicultura do Brasil, realizado pelo Sindicato dos Armadores e das Indústrias da Pesca de Itajaí e Região (Sindipi) em parceria com Bahiapesca e Secretaria da Agricultura, Irrigação e Reforma Agrária do Estado da Bahia (Seagri), vai reunir em Salvador nos dias 07, 08 e 09 de novembro os maiores nomes dos setores. As inscrições para exposição de produtos e serviços, apresentação de trabalhos ou visitação já estão disponíveis no site www.aquapescabrasil.com.br.
Apresentação de trabalhos científicos no SIAP
O III SIAP contará também com a apresentação de trabalhos científicos, podendo participar alunos e ex-alunos universitários da graduação, mestrandos, doutorandos e empresários. A data limite para envio dos trabalhos é 31 de agosto.
As apresentações poderão ser realizadas na forma oral ou pôster, dentro de cinco categorias: Aquicultura de Água Doce, Maricultura, Pesca Industrial, Pesca Artesanal e Tecnologia do Pescado. Os trabalhos apresentados na forma oral serão avaliados por um comitê técnico, presidido pelo professor da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Giovanni Lemos de Mello. Os inscritos para apresentação de trabalhos podem assistir a todas as palestras e mesas redondas do III SIAP.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *